Política

Quinta-feira, 29 de Novembro de 2018, 14:01

Tamanho do texto A - A+

VOTAÇÃO ADIADA

Nenhum produtor quer usar agrotóxicos, mas temos que usar para proteger a lavoura, diz Sachetti

Por: Viviane Petroli

Da Redação Mato Grosso Agro

Foto: Viviane Petroli/Mato Grosso Agro

AgroMT

 

A votação da Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (PL 6670/16) foi adiada para o dia 04 de dezembro. A fase de discussão foi encerrada no dia 28 de novembro pela comissão especial que analisa a proposta. Segundo o deputado federal por Mato Grosso, Adilton Sachetti (PRB/MT), se os produtores rurais brasileiros possuíssem outra maneira de produzir sem o uso de agroquímicos, todos a usariam.

A Política Nacional de Redução de Agrotóxicos é um contraponto da PL 6299/02 que está pronta para votação no Plenário da Câmara Federal e que facilita a liberação de novos pesticidas, mesmo que estes não tenham testes conclusivos dos órgãos ambientais (Ibama) e de saúde (Anvisa).

O relatório da Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (PL 6670/16) é de autoria do deputado Nilto Tatto (PT-SP) e propõe a criação de zonas de uso restrito, de zonas livres de agrotóxicos, como áreas próximas a escolas e residências, entre outras medidas.

Além disso, a proposta a ser votada em 04 de dezembro proíbe o uso de produtos considerados extremamente tóxicos e prevê a revalidação dos registros a cada dez anos.

Durante a discussão da proposta na quarta-feira, 28 de novembro, o deputado federal Adilton Sachetti afirmou que "nenhum produto quer usar agrotóxicos, somos favoráveis à diminuição, mas temos que usar para proteger a lavoura. Se tivéssemos outra maneira de produzir sem usar agroquímicos, todos usaríamos, mas isso ainda não é possível. Sem contar que reduzindo o uso gastaríamos menos".

Conforme Sachetti, a questão dos agrotóxicos “é um tema complexo” e que “ao invés de somar estamos dividindo”. O deputado federal mato-grossense frisa que “Ninguém é contra a utilização de produtos orgânicos, de uso de produtos orgânicos. Ninguém é contra a bioinseticidas ou biofungicidas ou coisa assim. Pelo contrário eu acho que todos que aqui estão são favoráveis. Mas, nós temos que discutir a realidade que vivemos, a realidade que é o nosso país. A realidade que a agricultura no mundo, não no imaginário de alguns. Vamos olhar como é a Europa. Vamos olhar como é os Estados Unidos. Vamos olhar como é a Ásia. Como se produz nesses países? Como é que se produz na Austrália? Para ver se lá não se utiliza os mesmos princípios ativos de agroquímicos ou agrotóxicos, como queiram chamar, que nós utilizamos aqui”.

Ainda de acordo com Sachetti, não se pode aceitar que o Brasil é o consumidor mundial de agroquímicos. “Deveríamos ter respeito com os produtores brasileiros. Deveríamos ter respeito com a sociedade brasileira para falar a verdade. Sete quilos por hectare é a soma de todos os produtos que são utilizados e distribuídos na aplicação de todas as culturas no Brasil”.

Segundo informações da Agência Câmara Notícias, deputados federais contrários ao texto prometem obstruir os trabalhos, com requerimentos e discursos que atrasem a votação que ocorrerá no próximo dia 04 de dezembro.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei