Pecuária

Terça-feira, 09 de Julho de 2019, 19:59

Tamanho do texto A - A+

SANIDADE ANIMAL

Controle e erradicação da brucelose entra em rota de debates em Mato Grosso

Por: Viviane Petroli

Da Redação Mato Grosso Agro

A brucelose é palco de um ciclo de palestras realizadas pelo Programa Estadual de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose (PECEBT) em Mato Grosso. A ação ocorre nos 14 polos regionais do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT), dos quais Cuiabá e Pontes e Lacerda já foram visitados. Os eventos contam com a participação da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat).

“Temos 30 milhões de cabeças em Mato Grosso e produzimos mais de 1,3 milhão de toneladas de carne bovina por ano, das quais exportamos mais de trezentas mil. Alimentar o Brasil e mais de 100 países do mundo com qualidade exige responsabilidade no controle sanitário para garantir também a credibilidade no nosso produto”, pontua Francisco Manzi, diretor técnico da Acrimat sobre a importância da ação voltada para médicos veterinários do serviço oficial e os da iniciativa privada, bem como produtores rurais.

Segundo o gerente Institucional da Acrimat, o médico veterinário, Nilton Mesquita Júnior, que tem acompanhado a caravana, as palestras ocorrem em três ciclos direcionados a cada um dos perfis dos profissionais. “Mato Grosso representa um quarto do Valor Bruto de Produção (VBP) do Agro na pecuária, e os cuidados com imunização resguardam não só a sanidade animal do rebanho, mas protegem nossa economia também, por isso a necessidade de conscientizar todos os envolvidos sobre o tema, e esse trabalho realizado via programa nacional de combate à brucelose tem apresentado resultados significativos em Mato Grosso, como a queda de 10,2% para 5,1% da prevalência da enfermidade no rebanho estadual, desde que foram iniciadas ações no estado, em 2003”.

Ainda conforme Nilton, o número representa comprometimento dos pecuaristas com sua produção, que tem dado devida atenção ao calendário. “Desde 2015 conseguimos manter mais de 60% das propriedades com cobertura vacinal, alcançando 99,5% das bezerras. Esse processo de imunização exige planejamento, já que impacta diretamente na produtividade”.

A importância das palestras que estão sendo realizadas se apoia nas informações que são passados aos produtores, como a de que as áreas de maior prevalência têm compartilhamento de pastagens – sobretudo das maternidades, além de pouco controle na entrada de novos reprodutores, que em geral são propriedades de gado de corte e mistas. “O que mudou é que a pecuária leiteira, que antes era fonte de preocupação, agora apresentou evolução significativa no controle da brucelose”, avalia Nilton Júnior.

O gerente Institucional da Acrimat acrescenta que a entidade tem sido parceira do programa em todas as suas etapas. “Os números são claros e apontam o que exatamente precisa ser trabalhado: intensificar e fiscalizar a qualidade da vacinação, reforçar a obrigatoriedade da prescrição da vacina e supervisão feitas por um médico veterinário, controle de entrada de animais nas propriedades e a manutenção desse calendário é primordial para que Mato Grosso alcance os índices de erradicação”.

Durante as palestras, são repassados aos criadores os conceitos de brucelose, bem como os aspectos relacionados à transmissão e a importância do papel do criador e dos órgãos de controle na prevenção dessas enfermidades. Procedimentos que são adotados na vacinação, tais como a emissão de receituário e atestado, aquisição, transporte, acondicionamento, diluição, dose e via de aplicação da vacina, além do uso de equipamentos de proteção individual, marcação das bezerras e descarte do material após a vacinação também são informados.

Enfermidades

A Brucelose e Tuberculose são doenças que causam impactos econômicos negativos, e a vacinação de bezerras com idade de 3 a 8 meses faz parte das estratégias dos órgãos responsáveis, e é a principal forma de prevenção da enfermidade.

A primeira é uma doença bacteriana grave que acomete bovinos, suínos, equinos, caprinos, ovinos. Considerada zoonose, já que pode ser transmitida para humanos, em caso de incidência os animais devem ser enviados ao frigorífico para abate e a propriedade fica em quarentena, impactando também economicamente. O programa tem como objetivo baixar a prevalência e a incidência de casos de brucelose e de tuberculose bovina e bubalina, além de certificar um número significativo de propriedades que ofereçam ao consumidor produtos de baixo risco sanitário.

Além da Acrimat, atuam como parceiros no programa o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Federação da Agricultura de Mato Grosso (Famato), Fundo Emergencial de Saúde Animal do Estado de Mato Grosso (Fesa-MT), Sindicatos Rurais, Sindicato das Indústrias Frigoríficas de Mato Grosso (Sindifrigo) e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).


*Com informações Assessoria de Imprensa Acrimat

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei