Gastronomia

Terça-feira, 03 de Outubro de 2017, 06:16

Tamanho do texto A - A+

BUSCA POR QUALIDADE

Cervejarias artesanais de Mato Grosso elevam produção diante aumento do consumo

Por: Viviane Petroli

Da Redação Mato Grosso Agro

Facebook/Cervejaria Louvada

Cervejaria Louvada

 Louvada saltou de 14 mil litros para 100 mil litros sua produção em quase dois anos.

Em cerca de dois anos a Cervejaria Louvada elevou sua produção de 14 mil litros de cerveja artesanal para 100 mil litros e já planeja ampliação do seu espaço fabril. Já a Cuyabana Cervejaria Artesanal, que começou a colocar seus produtos no mercado em junho deste ano, viu sua produção saltar de 12 mil litros para em torno de 17 mil litros em aproximadamente dois meses. O aumento da produção é creditado ao crescimento do consumo das cervejas artesanais, que a cada dia ganham novos adeptos, mesmo elas sendo mais caras em decorrência ao seu processo de fabricação. Segundo cervejeiros mato-grossenses, o ICMS pago pelas fábricas genuinamente mato-grossenses é o mesmo pago pelas marcas comerciais, como a Ambev.

O Brasil conta hoje com mais de 400 cervejarias, entre micros e grandes, e a venda a cada dia cresce, segundo os cervejeiros. De acordo com o sommelier de cervejas, fundador e diretor da rede Mestre-Cervejeiro.com, Daniel Wolff, atualmente o mercado cervejeiro brasileiro é "o terceiro maior do mundo, com produção de 140 milhões de hectolitros ao ano - 1,5% disso representado pelo segmento de cervejas artesanais, que cresce 40% ao ano no país".

Wolff revela que "A sede do brasileiro por cerveja artesanal é imensa". "Não importa a região do país, nem o tamanho da cidade. O povo ficou por muito tempo limitado a poucas marcas e quase na totalidade ao um mesmo estilo (“Pilsen" Comum). Estamos levando a Cultura da Cerveja para todas as partes do Brasil e atendendo a demanda por novos sabores".

Em Mato Grosso existem aproximadamente dez cervejarias artesanais. Dentre elas estão a Louvada (com fábrica em Cuiabá), Cuyabana Cervejaria Artesanal (com fábrica em Várzea Grande), Kessbier (com fábrica em Nova Mutum), Bionda (com fábrica em Sinop), Hauss Bier (Rondonópolis) e Cervejaria Rondonópolis (Rondonópolis).

Lançada no mercado mato-grossense em novembro de 2015, a Cervejaria Louvada é a idealização de cinco sócios: Ygor Quintela, Gregório Ballaroti, Fernando Zanetti, Rafael Mandu e Paulo Fortunato, que além de amigos, sempre foram amantes da cultura cervejeira. A Louvada surgiu no mercado em plena crise econômica brasileira e mato-grossense com uma produção de 14 mil litros de cerveja e hoje conta com uma produção de 100 mil litros e já prepara uma nova unidade fábril, segundo o diretor comercial e marketing Ygor Quintela, para atender o seu portfólio que inclui chopp e as cervejas dos estilos Pilsen, APA, IPA, Witbier, Weiss, Hop, Benedita e Darke Side 3.

Facebook/Cuyabana Cervejaria Artesanal

Cuyabana Cervejaria Artesanal

A Cuyabana Cervejaria Artesanal elevou de 12 mil para 17 mil litros a produção após dois meses de lançamento.

Situação semelhante é vivida pela Cuyabana Cervejaria Artesanal. Alçada ao mercado consumidor em junho de 2017 pelos sócios Ricardo Sguarezi, Rodrigo Sguarezi, Marcos Sguarezi e Alessandro Brantes, a cervejaria que começou com uma produção de 12 mil litros viu em dois meses, ou seja, em agosto, a necessidade de ampliar o volume e atingiu a marca de 17 mil litros. O portfólio da Cuyabana, além de chopp, conta com dois estilos de cervejas, a Pilsen e a Summer, e num futuro próximo novos estilos devem ser lançados.

A necessidade de ampliação da produção na Louvada e na Cuyabana foi decorrente ao aumento da procura pela cerveja artesanal, de acordo com Ygor Quintela (Louvada) e com Ricardo Sguarezi (Cuyabana).

“A hora que o consumidor descobre uma cerveja artesanal não é apenas o sabor que ele está atrás. Ele está atrás de uma puro malte, uma cerveja sem conservantes e que é produzida de uma maneira que a qualidade é muito melhor”, comenta Ygor Quintela.

Conforme Ricardo Sguarezi, outro ponto que tem favorecido a cerveja artesanal é que o seu mercado tem crescimento muito em regiões quentes, como é o caso de Mato Grosso. "Na verdade o valor que se paga em cerveja artesanal é barato ao perceber a qualidade que recebe no produto".

Mais caras que as comerciais

Ygor Quintela explica que as cervejas artesanais são mais caras que as cervejas comerciais por vários motivos. Dentre eles está a carga tributária e o processo de produção.

“A carga tributária nossa é igual à de uma grande cervejaria. Uma cerveja comercial sai do tanque com oito a dez dias, enquanto a nossa sai com 21 dias. Esse processo que usamos acaba encarecendo também”, pontua Ygor Quintela.

Galeria de fotos:

Galeria de Fotos
Avalie esta matéria: Gostei +3 | Não gostei