Economia

Quinta-feira, 31 de Outubro de 2019, 07:09

Tamanho do texto A - A+

Poupança é sinônimo de segurança

Por: Assessoria de Imprensa Sicredi Centro Norte

Foto: Fernando Martim/Sicredi

Sicredi

 

Renda muito baixa, imprevistos financeiros, gastos extras atípicos e perda no controle sobre as próprias despesas estão entre as principais justificativas dos brasileiros para não pouparem nenhuma quantia mensalmente. Para especialistas, no entanto, esses argumentos não são impeditivos para se guardar dinheiro, ao contrário, reforçam a necessidade de se manter uma reserva para ser usada em situações de emergência.

Para conscientizar as pessoas sobre a importância de se guardar dinheiro foi criado o Dia Mundial da Poupança, comemorado nesta quinta-feira (31/10). A proposta é apontar as vantagens de ter algum dinheiro reservado e principalmente para ser utilizado em momentos emergenciais. A reserva guardada dá mais segurança ao poupador e pode estimulá-lo a dar novos passos quando o assunto é finanças pessoais. Além disso, como estimula a disciplina financeira, é comumente usada para atingir alguns objetivos, como a compra de algum produto ou contratação de serviço.

A necessidade de se manter uma poupança foi reconhecida recentemente pela dona de casa Marli Saul Bento Groli, 44 anos, de Sorriso. Associada do Sicredi há cerca de 18 anos, ela diz que sempre guardou dinheiro para usar num momento que viesse a precisar. E esse dia infelizmente chegou quando a filha Gabriele Cristina, de 14 anos, precisou de uma cirurgia de emergência. “Ela tem um problema de nascença e teve recentemente um escorregamento na coluna que poderia deixá-la paralítica a qualquer momento. Pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a cirurgia ia demorar então, não pensei duas vezes e usei o dinheiro da poupança”, diz a mãe ao comentar que a cirurgia já foi feita e a filha está bem, em recuperação.

Para o professor Welington Paduan, 38 nos, do distrito de Boa Esperança, também em Sorriso, a poupança tem outra finalidade, a de aplicação financeira. Uns meses depois que se associou ao Sicredi decidiu abrir a conta poupança, em busca de segurança. Em vez de guardar o dinheiro em casa ou deixar na conta corrente correndo risco de gastar sem necessidade, faz os depósitos na poupança. Diz que não tem planos específicos para esses recursos, e ressalta a vantagem de sacar quando quiser. “Eu costumo fazer depósitos na poupança quando sobra. Já pensei em programar, mas tenho receio de chegar o dia de depositar e não ter o valor que preciso”, confessa o docente.

Sobre essa dificuldade do professor Welington, a gerente de Desenvolvimento de Negócios Pessoa Física da Central Sicredi Centro Norte, Juliana Rodrigues, afirma que é preciso fazer um exercício e separar as quantias destinadas para as despesas mensais e a reserva. “Orientamos os associados a dividirem suas reservas em três caixinhas, com objetivos de curto, médio e longo prazos. Curto prazo é emergência, casos de saúde por exemplo; de médio prazo ajudam a juntar dinheiro para comprar um produto ou fazer uma viagem, e os de longo prazo são pensando no futuro, onde entra por exemplo, a previdência privada. Pode não ser fácil, mas não é impossível”.

A dificuldade em se manter uma poupança é demonstrada em pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Segundo o levantamento, 67% dos consumidores brasileiros não conseguiram guardar nenhuma parte dos seus rendimentos em agosto. O percentual é maior considerando as pessoas de menor faixa de renda (71%), mas também atinge aqueles com maiores salários, onde o percentual de não-poupadores atingiu 54%.

Conforme a pesquisa, apenas 22% dos entrevistados foram capazes de poupar uma parte do salário, guardando em média R$ 546,61. Entre aqueles que não pouparam nenhum centavo, 40% justificaram que isso ocorreu por terem uma renda muito baixa, o que impossibilita sobras e poupança. Outros 18% disseram que tiveram imprevistos, 15% gastos extras atípicos, e 13% confessaram ter perdido o controle sobre os gastos.

Vantagens de poupar

Sobre a poupança especificamente, a gerente Juliana a destaca como sendo um investimento simples e de baixo risco, indicado principalmente para quem está começando a guardar dinheiro. Não precisa iniciar com muito e pode resgatar o valor quando quiser. “Além disso, o associado que mantém poupança colabora para o desenvolvimento de sua região, já que o dinheiro que ele poupa se mantém na comunidade, fortalecendo o negócio local”, comenta Juliana ao acrescentar que “esse dinheiro vai servir de crédito a outro associado, o que gera um ciclo de desenvolvimento e resulta em novas oportunidades de negócio”.

Outra vantagem de ter uma poupança no Sicredi é que o associado participa da distribuição de resultados da cooperativa e pode contar com um valor extra ao fim do exercício financeiro, podendo reinvestir a quantia na sua poupança ou na cooperativa. Na região Centro-Oeste e Norte, que abrange os estados de Mato Grosso, Pará, Rondônia e Acre, a carteira de poupança atingiu R$ 1,899 bilhão de janeiro até 25 de outubro. O valor é 12,4% maior que o registado no mesmo período de 2018, quando somou R$ 1,689 bilhão.

Dia da Poupança

O Dia Mundial da Poupança foi criado pelo Instituto Mundial de Bancos de Poupança, em 1925, na Itália, um ano após a sua fundação. Ficou instituído que o dia 31 de outubro seria destinado à tentativa de conscientizar a da população mundial sobre os benefícios da poupança e as consequências negativas que a falta de planejamento financeiro pode provocar. No Brasil, a data é comemorada desde 1933.

Avalie esta matéria: Gostei +2 | Não gostei

Preencha o formulário abaixo:

Leia mais sobre este assunto: