Economia

Quarta-feira, 16 de Outubro de 2019, 11:58

Tamanho do texto A - A+

em setembro

Mato Grosso tem queda no número de dívidas em atraso

Por: Assessoria de Imprensa CDL Cuiabá

Foto: Reprodução/Sinduscon-MT

Cuiaba

 

De acordo com o levantamento feito pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em setembro deste ano, os dados apontam que o número de dívidas em atraso de moradores do Estado caiu ?3,71%, em relação a setembro de 2018. O dado ficou acima da média da região Centro?Oeste (?6,27%) e abaixo da média nacional (?2,51%). Na passagem de agosto para setembro, o número de dívidas de Mato Grosso caiu ?0,74%. Na região Centro?Oeste, nessa mesma base de comparação, a variação foi de ?2,28%.

O setor com participação mais expressiva do número de dívidas em setembro foi bancos, com 33,16% do total de dívidas. Em seguida, comércio, água e luz, comunicação e outros.

Já o número de novos devedores registrou um aumento de 4,4% em relação a setembro de 2018. O dado ficou acima da média da região Centro-Oeste (-0,63%) e acima da média nacional (1,35%). Na passagem de agosto para setembro, o número de devedores de Mato Grosso cresceu 0,77%. Na região Centro-oeste, na mesma base de comparação, a variação foi de -0,86%.

O superintendente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL Cuiabá), Fábio Granja, acredita em dois cenários. O primeiro apresenta um índice de negociação em dividas, principalmente devido a entrada do recurso do FGTS e PIS/PASEP, já o cenário de aumento do número de inadimplentes tem muito a ver com o aumento nas vendas de crediário dos últimos três meses (junho, julho e agosto) que cresceram significativos 8,16%.

“Se por um lado temos uma melhora na queda das dívidas devido a recursos novos na economia, por outro lado temos mais consumo pelo crediário, porém sem planejamento financeiro familiar. Hoje o que mais prejudica as finanças de determinados consumidores é a não inserção das parcelas de compras realizadas dentro do orçamento familiar mensal”, declarou ele.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei