Comércio

Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018, 11:09

Tamanho do texto A - A+

23 DE NOVEMBRO

Pesquisa revela que 27,5% dos cuiabanos devem comprar na Black Friday

Por: Viviane Petroli

Da Redação Mato Grosso Agro

Foto: Rafaella Zanol/GCom-MT

Cuiabá

 

Pesquisa realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL) revela que 27,5% dos cuiabanos devem ir às compras durante a Black Friday, que ocorre em todo o país no dia 23 de novembro. O levantamento revela ainda que entre os que pretendem comprar, 67% esperam adquirir um ou dois produtos, com um gasto médio de 474,84 reais cada um deles.

A pesquisa da CDL Cuiabá foi realizada em parceria com o Núcleo de Pesquisas Econômicas e Socioambientais da Universidade Federal de Mato Grosso (NuPES/FE/UFMT). Foram entrevistados 338 pessoas acima de 14 anos, sendo 55% homens e 45% mulheres. O levantamento foi feito entre os dias 11 e 13 de novembro de 2018.

Conforme a pesquisa da CDL Cuiabá e do NuPES/FE/UFMT, as principais formas de pagamento, segundo os entrevistados, serão dinheiro (46%) e cartão de crédito (44%), além disso, os principais lugares apontados para realização dos gastos foram shopping centers (44%), lojas instaladas no centro da cidade (38%) e compras virtuais (28%).

Entre os produtos que deverão ser os mais procurados pelos consumidores cuiabanos estão roupas (36%), eletrodomésticos (26%), eletrônicos (24%), celulares (22%) e móveis e artigos para casa (14%).

O superintendente da CDL Cuiabá, Fábio Granja, pontua que a Black Friday é uma grande oportunidade de compra, principalmente pelos descontos e preços baixos oferecidos em diversos produtos.

"Enquanto lojistas querem vender mais, os consumidores estão procurando pelos menores preços. Porém, quem quer aproveitar a oportunidade precisa ter cuidado com alguns detalhes para não cair em ciladas, uma das dicas para quem vai às compras é ficar atento aos preços fora do normal. Mesmo sendo uma data em que os produtos têm preços mais baixos que em outras situações, sempre tem um limite. Ofertas com valores muito abaixo da média devem ser vistas com mais cuidado", salienta Granja.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei