Comércio

Sexta-feira, 06 de Setembro de 2019, 17:44

Tamanho do texto A - A+

BOA NOTÍCIA

Cuiabá registra melhora da Confiança do Empresário do Comércio em agosto

Por: Assessoria de Imprensa Fecomércio-MT

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), do mês de agosto, apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgado nesta sexta-feira (06), pela Fecomércio-MT, revela uma melhora de 2,2% sobre o mês anterior e de 3,9% na comparação com agosto do ano passado, atingindo, assim, 128,8 pontos.

Foi a segunda melhora consecutiva da pesquisa, depois de registrar quedas em meses anteriores e chegar a 125,1 pontos em junho, pior resultado do ano. Mesmo assim, a avaliação da Fecomércio-MT para a pesquisa é de melhora gradual no cenário de mais longo prazo, confirmando a percepção de otimismo pela classe empresarial.

Condições favoráveis

Todos os subíndices apresentaram alta mensal, sendo referência às condições atuais do empresário o principal destaque positivo, que apresentou alta de 5,4% e chegou 104 pontos, ficando em situação de otimismo. No ano, a melhora do componente foi de 8,1%.

Sobre o subíndice, na avaliação da economia atual, pouco mais da metade dos empresários entrevistados (51,6%) afirmaram que a situação melhorou, enquanto 48,4% disseram que piorou.

Expectativa

Para o subíndice que acompanha a expectativa do empresário do comércio, que apresentou alta de 1% sobre o mês anterior e somou 164,4 pontos, 92,6% dos entrevistados afirmaram que a expectativa da economia melhorou no período e apenas 7,4% alegaram que piorou.

Resultado semelhante foi observado para a expectativa do setor, onde 94,3% dos empresários alegaram ter melhorado no período mensal e somente 5,9% disseram ter piorado.

Investimento

Já o subíndice que monitora o investimento do empresariado na capital apresentou alta de 1,1% no mês e de 1,7% sobre agosto passado. Questionado sobre expectativa de contratação de funcionários, 77,7% dos empresários pretendem aumentar o quadro de funcionários, 16,5% falaram que vão reduzir pouco e 5,3% reduzir muito.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei