Agricultura

Domingo, 30 de Setembro de 2018, 08:05

Tamanho do texto A - A+

Com projeção de chuvas regulares, plantio da soja em Mato Grosso avança

Por: Viviane Petroli

Da Redação Mato Grosso Agro

Foto: Viviane Petroli/Mato Grosso Agro

soja

 

Com uma perspectiva de chuvas regulares, o plantio da soja 2018/2019 em Mato Grosso atingiu 4,32% dos 9,579 milhões de hectares projetados em apenas duas semanas de semeadura liberada. Meteorologistas preveem precipitações regulares até fim do ano no estado, porém diminuição no início de 2019.

Mato Grosso deverá semear 9.579 milhões de hectares de soja nesta safra 2018/2019, de acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Em duas semanas de plantio liberado, após o fim do vazio sanitário em 15 de setembro, 4,32% na área já recebeu as sementes.

A região mais avançada é o Oeste com 11,11% dos 1,085 milhão de hectares previstos, seguido do Noroeste mato-grossense com 5,31% de 627,2 mil hectares, do Norte com 4,81% de 339,2 mil hectares, do Sudeste com 4,58% de 1,929 milhão de hectares e Médio-Norte com 3,93% de 3,253 milhões de hectares.

Já o Centro-Sul semeou 3,38% dos 703,5 mil hectares destinados para a soja na atual safra, enquanto o Nordeste mato-grossense 0,23% dos 1,640 milhão de hectares.

Conforme especialistas na área meteorológica, precipitações acima da média devem ocorrer até dezembro.

"Viemos de um período de 180 dias com déficit de chuvas que, dependendo do local, está entre 25% a 35% abaixo do normal. Então, é preciso que o solo ‘recarregue’ a umidade para aí, sim, fazer a semeadura", pontua o agrometorologista Luiz Carlos Molion, doutor da Universidade Federal do Alagoas.

Molion salienta que chuvas acima da média devem ocorrer em Mato Grosso de outubro a dezembro entre 10% e 20%, entretanto de janeiro a março, deverá haver redução de 20% a 40% nas precipitações.

"Mas considerando todo o cultivo deve ficar uma média de 800mm a 1000mm acumulado de outubro a março. Isso é mais que suficiente para garantir a produtividade dos cultivos neste período", pontua o agrometorologista Luiz Carlos Molion, doutor da Universidade Federal do Alagoas.

Conforme o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Luiz Renato Lazinski, "Agora vivemos um período chamado neutralidade climática, quando estamos sem El Niño e sem El Niña. A tendência é que durante toda a primavera esta situação irá persistir". Lazinski também explica que o El Niño deve retornar a partir de dezembro, mas com uma atividade fraca a moderada.

 

*Com informações Aprosoja Mato Grosso.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei