Agricultura

Quinta-feira, 08 de Novembro de 2018, 08:52

Tamanho do texto A - A+

TECNOLOGIA

BASF lança em Cuiabá sementes de algodão FiberMax; tecnologia é inédita na América Latina

Por: Viviane Petroli

Da Redação Mato Grosso Agro

Foto: Viviane Petroli/Mato Grosso Agro

BASF Fiber Max

 

FiberMax®. Está é a primeira marca de sementes de algodão com a tecnologia GLTP da multinacional alemã BASF com dupla tolerância a herbicidas e tripla resistência a lagartas no mercado brasileiro. A novidade vem através da variedade FM 985 GLTP lançada em Cuiabá no dia 06 de novembro, evento este que reuniu produtores e sementeiros de todo o estado na capital mato-grossense.

A marca FiberMax® é resultado de 12 anos de trabalho realizado pelos pesquisadores da BASF em parceria com os produtores. A novidade, explica a multinacional, é fruto da associação das tecnologias GlyTol LibertyLink (GL) e TwinLink Plus (TP). Ainda de acordo com a multinacional, a primeira variedade sob a marca FiberMax® com tecnologia GLTP estará disponível comercialmente já para a safra 2018/2019.

O diretor de Sementes da BASF no Brasil, Hugo Borsari, pontuou durante o lançamento em Cuiabá que o mercado do algodão vive um momento de otimismo, o que estimula o investimento em tecnologia. “A BASF acredita no legado da cotonicultura brasileira”, afirmou Borsari.

O bom momento da atividade, especialmente em Mato Grosso, foi destacado também por produtores, gestores de propriedades rurais e sementeiras. Conforme o gerente de produção de algodão da Sementes Petrovina, Obdias de Freitas, há produtores no estado que já falam em uma ampliação média de 20% de suas áreas.

Para Obdias de Freitas, em entrevista ao Mato Grosso Agro, a colocação no mercado de novas tecnologias significa melhora na produtividade e redução nos custos, tanto com mão de obra quanto com inseticidas.

Produtor em Dom Aquino, Rui César Zanchet destaca que toda nova tecnologia para a agricultura é bem vinda, porém, segundo ele, é preciso avaliar os lados positivos e negativos de cada uma. “É preciso avaliar antes para o que serve cada tecnologia diante a condição da lavoura que eu possuo. Hoje, temos problemas com nematoide rotylenchulus e a erva daninha pé de galinha no algodão. A fibra é outra coisa a ser avaliada, pois é preciso que haja equilíbrio entre as tecnologias também para não afetar a qualidade da fibra, a produtividade e ainda haver o controle de pragas, porque às vezes a tecnologia funciona para uma coisa e para outra não”.

A variedade FM 985 GLTP, de acordo com o responsável pelo desenvolvimento agronômico de Sementes de Algodão da BASF, Rogério Ferreira, é de ciclo tardio com alta taxa de crescimento, folha de tamanho médio, resistente ao acabamento, maça ovalada média e sistema radicular agressivo.

Além de facilitar o manejo de pragas e plantas daninhas, a variedade FM 985 GLTP também oferece alta produtividade e qualidade de fibra.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Preencha o formulário abaixo:

Leia mais sobre este assunto: