Agricultura

Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2019, 12:32

Tamanho do texto A - A+

EM MATO GROSSO

Aprosoja pontua "insatisfação" com a não liberação do plantio em fevereiro

Por: Viviane Petroli

Da Redação Mato Grosso Agro

Foto: Viviane Petroli/Mato Grosso Agro

Colheitadeira

 

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso, a Aprosoja-MT, afirma "insatisfação" quanto a não liberação da semeadura de soja no mês de fevereiro por parte do Governo de Mato Grosso, através do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea) e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec). O plantio da oleaginosa em fevereiro foi pauta de discussão na semana passada entre produtores, representantes do Poder Executivo e pesquisadores.

O plantio da soja em fevereiro foi proposto e defendido pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso, a Aprosoja-MT.

A proposta era de cultivo de soja no mês de fevereiro em caráter experimental em até 4% da área registrada do produtor, limitando-a no máximo a 100 hectares.

Em nota a Aprosoja-MT afirma que "torna pública a insatisfação quanto à decisão do Governo do Estado de Mato Grosso que, por meio do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea) e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), não liberou o plantio de soja em fevereiro, conforme solicitação do setor". A entidade representante do setor produtivo no estado salienta ainda que "Não é a primeira vez que o Governo do Estado não leva em consideração os anseios, estudos técnicos apresentados pela entidade e as necessidades do setor. No entanto, a Aprosoja reforça que continuará defendendo os interesses dos produtores de soja e milho do Estado".

De acordo com a Aprosoja-MT, a entidade conta com mais de 5.500 associados e que "decisão do Governo vai contra o pleito de mais de 80% dos produtores de soja".

Especialistas afirmam que semeadura em fevereiro traria riscos

Na avaliação de pesquisadores tal cultivo representaria para Mato Grosso uma "grave ameaça" ao futuro da sojicultura brasileira, visto criar um ambiente propício para a sobrevivência, proliferação e evolução do fungo da ferrugem asiática.

Para o setor produtivo o plantio de soja em fevereiro poderia dar um menor prazo de armazenamento da semente entre a colheita e o plantio, visto a armazenagem ser uma das etapas mais caras do processo. Ainda conforme pesquisadores e demais especialistas, a semeadura da soja neste mês acaba deixando inócuo o vazio sanitário, realizado para evitar a proliferação de pragas entre uma safra e outra.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei