Agricultura

Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018, 10:03

Tamanho do texto A - A+

CIRCUITO TECNOLÓGICO

Aprosoja dá a largada em seu raio-x da produção soja; safra ainda é de incertezas

Por: Viviane Petroli

Da Redação Mato Grosso Agro

Foto: Viviane Petroli/Mato Grosso Agro

soja grão

 

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) deu a largada em seu 10º raio-x da produção de soja. O Circuito Tecnológico – Etapa Soja da entidade tem como intuito saber mais de perto as necessidades e demandas do produtor rural e, principalmente, o tipo e qualidade de insumos que as propriedades estão recebendo, em especial as sementes e fertilizantes.

Entre os dias 15 e 19 de outubro sete equipes irão percorrer propriedades em municípios da região Norte e Oeste. O raio-x segue ainda entre os dias 22 e 26 de outubro com as regiões Sul e Leste com oito equipes.

Em 10 anos do Circuito Tecnológico – Etapa Soja diversos pontos relevantes foram constatados pelas equipes da Aprosoja Mato Grosso como alta incidência de nematoides, deficiência de armazenagem, pragas nas lavouras como a lagarta-da-maçã e percevejo-da-soja, problemas fitossanitários, roubos em propriedades rurais e problemas com a classificação e plantas daninhas resistentes, entre outros.

Segundo a Aprosoja Mato Grosso, com base em tais pontos relevantes constatados ao longo dos 10 anos de Circuito Tecnológico – Etapa Soja foram criados projetos como o Classificador Legal, Armazena MT, Semente Forte e parceria com a Polícia Civil para o combate de crimes nas propriedades.

“É uma forma de sabermos mais sobre os produtos que estamos recebendo, em especial as sementes, que estão vindo ainda com 9% de teor de vigor abaixo do necessário, e os fertilizantes”, pontua Antônio Galvan, presidente da Aprosoja Mato Grosso.

Ainda conforme Galvan, o raio-x serve ainda para saber as necessidades e demandas dos produtores e como poderá ser a safra, que de acordo com o superintendente do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Daniel Latorraca, está incerta diante comercialização e preços, mesmo com a China não realizando nenhuma venda para os Estados Unidos.

Levantamento recente do Imea aponta que Mato Grosso semeou 27,28% dos 9,6 milhões de hectares destinados para a safra 2018/2019. Porém, apesar do incremento de 1,64% da área ante o ciclo passado, a produção deve recuar 0,22%, o que é considerada uma “estabilidade”, salienta Daniel Latorraca. “A semeadura está avançando, contudo a comercialização ainda segue a passos lentos. Hoje, está em 33,87% das 32 milhões de toneladas previstas. Entretanto, entre junho e agosto vimos uma estagnação diante a greve dos caminhoneiros, tabelamento do frete e não haver preço. Acreditamos que até dezembro metade da soja esteja comercializada”.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei